sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Não se desculpe: Culpe-se!




NÃO SE DESCULPE: CULPE-SE!

Certa vez Airton Senna foi entrevistado e perguntado sobre algumas explicações que Alan Prost estava dando para justificar o seu desempenho, não tão bom, em uma temporada do campeonato de Fórmula 1. Ele respondeu, em inglês, mais ou menos o seguinte: "Vocês conhecem o Prost; ele sempre vai dizer que o problema é a pista, ou o carro, ou o tempo, ou algum colega de corrida. Ele nunca vai dizer que o problema é ele."

O mundo todo conheceu a genialidade de Senna, que aliada a sua humildade, esforço, dedicação para cada vez ser melhor na vida e nas pistas, o transformou no maior piloto de todos os tempos. Falo sem exageros. Mas nessa entrevista fica claro o seu maior segredo: Senna não transferia a responsabilidade de seu desempenho, alto ou baixo, para as circunstâncias que o cercavam. Antes, usava muitas dessas circunstâncias desfavoráveis, em seu favor. Tanto que era imbatível em provas de chuva. Quem o assistiu, sabe do que eu estou dizendo.

Essa concepção que tinha nas pistas, também aplicava na vida. E é, claramente, aplicável na vida de todos nós. Temos uma mania terrível de culpar tudo e todos para nos desculpar. Culpamos nosso cônjuge por nossas insatisfações; culpamos nossos filhos; nossos pais, padrastos, enteados. Culpamos nossa condição financeira; culpamos nosso patrão. Culpamos o Diabo e a própria vida. Mas nunca olhamos para nós mesmos e centralizamos a raiz do problema em nós! Quer saber de uma coisa? É justamente nessa atitude de análise interior, inconformação consigo mesmo, e atitude para mudar que reside o segredo de se ser um ser humano melhor! Não falo aqui dos simplesmente bem sucedidos, mas realmente daqueles homens e mulheres manifestam o melhor que se pode extrair da humanidade, ainda que no anonimato!

Pare de culpar tudo e todos! Pare de culpar a vida, o Diabo e até mesmo Deus! Arque com a responsabilidade de seus erros e acertos! Busque se melhorar para a vida, ainda que sua vida não seja a melhor vida! Pare de desculpas e culpe-se! Em seguida mude; transforme o seu entendimento! 

Pense nisso! Viva isso!

domingo, 3 de setembro de 2017

No Amor





No Amor

Vaguei no mundo das sensações
Buscando sentido,
Quando percebi que não há
Sentido algum em algum
Sentido buscar!
Foi então que no simples
Cursar da vida,  e pela vida
Simples a cursar, que
O sentido de tudo foi 
A revelar-se, enquanto a mim
Revelava que era no abrir
Mão de tanto, ou tudo,
Que residia o sentido, e sobretudo,
Na simplicidade de amar!
Assim te encontrei no amor,
Que antes de tudo
Encontrou-me a mim;
E, achado, vi-me perdido
No propósito, no absurdo,
De simplesmente te amar!
Amo-te, então, mais que tudo,
E em proporção
Que supera o meu todo;
Porquanto este amor me destrói,
Desconstrói, e reconstrói;
E em ti leio a Razão de tudo,
Enquanto encontro aquEle 
Que por tudo - posto que
Por Ele -, e em tudo,
Conduziu-me a te amar!

Gama DF, 03 de setembro de 2017.

Jordanny

Dedicação: Esse poema, em especial, dedico à minha filha Rebecca, que de fato foi o instrumento de Deus para me revelar a sublimidade do Seu Amor! Ela me encheu de significado e me mostrou a siginificância de amar do modo mais simples inimaginável! Louvo ao meu Deus todos os dias por ela! Te amo, minha princesinha mais linda e cheirosa desse mundo todo!

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Na Multiplicação do Seu Comércio...




O argumento que coloca a teologia num nicho de superioridade quase intocável revela, na verdade, uma influência para a venda de mais e mais livros. Pelo que percebo, em todo caso, o Evangelho acaba sendo sempre comercializado.

Conhecer a Deus nunca teve por objetivo maior o desenvolvimento teológico. Senão, um ladrão sendo executado não teria tempo de se encontrar com Cristo no Paraíso. "Provai e vede que o Senhor é bom" se revela o maior incentivo de Deus ao homem.

A teologia tem seu lado bom, mas se tornou um instrumento de comercialização do Evangelho, sim! Mesmo aquela teologia que contesta grande parte dos abusos e distorções doutrinárias, quando super exaltada, carrega em si um marketing específico. Além disso, não poucas vezes, enveredam a mente humana para um aprisionamento sutil, soberbo e arrogante, instrumentalizando-se de lógicas humanas na tentativa de se pensar Deus "logicamente". É tão difícil entender que a superioridade e soberania de Deus não se limita a nossa lógica? O Logus transforma toda a nossa mais apurada razão, ainda que teológica, em loucura! Esse Logus se fez carne e habitou entre nós, manifestando-se fora dos conceitos teológicos, em indizível simplicidade, aos pequenos e não cultos!

Não nego a importância da teologia. Seria hipócrita se a negasse! Mas não a coloco em um nicho de superioridade, pois até mesmo isso carrega em seu cerne uma inclinação aguda para a idolatria.

Em Cristo,

Jordanny.

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Prove e Veja!




Não é tão difícil constatar quem verdadeiramente é apaixonado pelo Evangelho e quem não é. Tudo se manifesta no grau em que a pessoa se lançou. Grande parte das pessoas que estudam o Evangelho, teólogos que conheço, vivem no ambiente da contemplação: Ficam boquiabertos com tudo o que se pode apreender teoricamente do Evangelho. Um estudioso de religiões, ou filólogo, numa descrição simples, conceitual e teórica, consegue explanar friamente os "conceitos" fundamentais da fé cristã. 

Entretanto, há aqueles que saltam do ambiente da contemplação e se lançam no ambiente da experiência pessoal, individual e impactante. Estes, efetivamente, provam e veem que o Senhor é bom!

A teoria é complexa, reducionista, rasa, fria, chata. Agora provar é simples, profundo, amplificador, atraente, saboroso! Provar e ver é o caminho! O resto é apenas artimanha retórica! Salmos 34.8

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

A Essência do Evangelho




A essência do Evangelho nunca esteve em prodígios e maravilhas. A essência do Evangelho nunca residiu em curas e milagres. A essência do Evangelho nunca foi gritar ao microfone uma oração "forte". A essência do Evangelho nunca foi culpar o diabo por tudo de ruim que acontece. A essência do Evangelho nunca se manifestou por sofisticações musicais e oferendas inundadas de técnica e orgulho, a exemplo da oferta de Caim. A essência do Evangelho nunca caminhou com questões ideológicas, tampouco com bandeiras políticas. A essência do Evangelho nunca se propôs mudar algum contexto econômico para uma fórmula liberal. A essência do Evangelho nunca totenizou homens, erguendo-os a um nível de evidência tão sublime que os torna inquestionáveis. A essência do Evangelho nunca se preocupou em aderir ao sistema mundano e à moda secular. A essência do Evangelho nunca se fez fiadora da prosperidade ou mesmo do bem estar. A essência do Evangelho nunca dependeu de uma elevada auto-estima. A essência do Evangelho nunca se sustentou na força do homem. A essência do Evangelho nunca se respaldou em uma espiritualidade mística e inalcançável. A essência do Evangelho nunca fez de línguas estranhas seu canal superior de comunicação. 

Se você olhar com mais cuidado, verá que a essência do Evangelho sempre comunicou a simplicidade. É no amor desinteressado que a encontramos. É na fé sublime naquEle que é poderoso para perdoar pecados que se manifesta. É em ações do tipo: Aquele que mentia, não minta mais; aquele que furtava, não furte mais, porém trabalhe; contente-se com o seu soldo, não aceite propina; cobre o que é justo; assista e cuide dos necessitados com quem você cruzar no caminho. Não há segredos! Apenas leia a impactante e extraordinária mensagem da Cruz que você perceberá o quanto a Verdade exposta no Evangelho é escandalosa e loucamente simples!

sábado, 12 de agosto de 2017

Alvo de Contradição




ALVO DE CONTRADIÇÃO

Simeão estava em Jerusalém na ocasião em que o menino Jesus foi levado para ser circuncidado, segundo o costume judeu, aos 8 dias de idade.

Estava ali, provavelmente já em avançada idade, mas seguro na promessa de que seus olhos veriam a salvação, porquanto ele veria o Cristo.

A salvação se revela a Simeão de modo completamente inusitado: Um bebezinho pobre de 8 dias de vida, completamente dependente de seu papai e de sua mamãe! Era a fraqueza estampada! Era a limitação evidente e escancarada! Mas, para Simeão, era o favor de Deus, a Graça e a Verdade manifestas a ele, que tanto aguardou a promessa de que seus olhos contemplariam o redentor!

Mas Simeão não era um simples espectador da manifestação gloriosa do fraquinho e limitado Salvador que estava diante dele, era também um profeta que trazia, não só uma palavra de conforto, e sim de dor, porquanto inundada de verdade. Eis o que ele disse à mãe do menino, após abençoa-los:

 "E Simeão os abençoou, e disse a Maria, mãe do menino: Eis que este é posto para queda e para levantamento de muitos em Israel, e para ser alvo de contradição, sim, e uma espada traspassará a tua própria alma, para que se manifestem os pensamentos de muitos corações." (Lucas 2: 34, 35).

Há uma tradução que se vale do termo "predestinado" no lugar de "posto". E esse termo parece casar mais com o que Cristo realmente manifestou. Ou seja: Estando predestinado, para Cristo não havia escolha; não havia livre arbítrio! Só Lhe restou uma única possibilidade: Ser alvo de contradição; ter sua alma traspassada por uma espada; ser o motivo da queda e levantamento de muitos em Israel!

Hoje, os verdadeiros profetas, os que se comprometem verdadeiramente com o Reino, com Deus da Palavra e com a Palavra de Deus, guardam com alegria e paciência o Dia em que contemplarão a razão de sua esperança se manifestar diante deles. E ficam apercebidos mesmo quando essa manifestação se faz em total fraqueza e limitação. Porém, não podem se calar mesmo quando o teor de suas profecias geram desconforto de dor. Assim, assemelham-se ao seu Senhor também como alvos de contradição, e sabendo que a Espada, que é a Palavra de Deus, lhes traspassa a alma em todo o tempo!

É fácil reconhecê-los! À semelhança das duas testemunhas de Apocalipse, também de suas bocas sai fogo (juízo), mediante a Verdade que denuncia! O difícil, é amá-los!

Em Cristo,

Jordanny

domingo, 16 de julho de 2017

Aplicativos


APLICATIVO

Dê-me um aplicativo
Que me faça bendito,
Ainda que eu tenha dito mal
De qualquer um que, em especial,
Prenda em meu coração ferido!

Dê-me um aplicativo
Que me torne bem quisto,
Ainda que a indiferença
Eu tenha plantado na essência
De meu olhar altivo!

Dê-me um aplicativo
Que me devolva o riso,
Ainda que a futilidade
De uma vida sem verdade
Seja meu "ser" preferido!

Dê-me um aplicativo
Que me torne o mais bonito,
Ainda uma alma pútrida
Seja minha vera face rústica,
Meu segredo guarnecido!

Dê-me um aplicativo
Que me apresente convicto,
Ainda que ideias turvas
Sejam as reais molduras
De tudo que eu acredito!

Dê-me um aplicativo
Que me encha de algum sentido,
Ainda que a torpe apatia,
De minhas veredas a guia,
Delate-me adormecido!

Dê-me um aplicativo
Que me faça bem visto,
Ainda que toda a maldade,
Sócia de minha vaidade,
Seja tudo que eu tenha nutrido!

Dê-me um aplicativo
Que me mantenha iludido,
Ainda que de fato eu perceba
Na vida, lida e até na natureza,
Tudo o que é, será, ou tenha sido!

Dê-me um aplicativo
Que me mostre destemido,
Ainda que a covardia
Seja a fiel companhia
De meu ser omisso!

Dê-me um aplicativo
Que me afaste o gemido,
Ainda que meu caminho
Esteja coberto de espinhos,
Que eu mesmo tenha produzido!

Dê-me um aplicativo
Que me faça atrativo,
Ainda que a essência
De minha amarga existência
Guarde um ser repulsivo!

Dê-me um aplicativo
Que me encha de amigos,
Ainda que minha real intenção
Seja somente a bajulação,
De qualquer um que tenha conhecido!

Não mais se estenda,
E tão logo me atenda:
Dê-me o Aplicativo dos aplicativos,
Conforme todos os meus caprichos,
E assim sacie a sede e a fome
De meu ser vil, e infame,
E preencha meu Vazio,
Que não se encontrou no Infinito!

Gama - DF, 16 de julho de 2017.