sexta-feira, 20 de março de 2009

Ponto de vista - Aborto, caso Alagoinha

Este mês foi marcado pelo famoso caso que aconteceu na cidade de Alagoinha – PE, e que repercutiu de uma forma intensa, fazendo todos pensarem e opinarem acerca do assunto. Entretanto, se vocês observaram a grande parte das posições, induzidas pela mídia manipuladora, perceberam as seguintes conclusões:

1) Uma comoção em relação à garota em face da violência vivida, e aos seus pais por terem vivido uma situação tão terrível (com evidente razão);
2) Um ódio insano contra o agressor, o qual não poderia levar outro adjetivo melhor do que “monstro”;
3) Uma indignação geral contra a decisão da igreja Católica, prolatada por meio de sua liderança episcopal;
4) Uma exaltação da equipe médica que realizou o aborto, em face de serem estes os “heróis” compreensivos que agiram debaixo da lei (aliás, como diz o ditado, “fora da lei não há salvação”) e em observância às análises médicas que concluíram que havia risco se a gravidez fosse levada adiante.

Antes de dar continuidade à posição aqui apresentada, gostaria de informar que, normalmente, não gosto de referir-me a questões muito recentes, visto que, normalmente, o prazo para uma análise mais sucinta é curto, podendo haver uma conclusão equivocada. Contudo, dada a repercussão, achei devido tecer algumas considerações, observando algumas partes intrigantes do caso à luz da lei do homem e, principalmente, da Lei de Deus (Bíblia). Para isso, utilizarei as proposições acima, delimitadas.

A comoção em relação ao sofrimento da criança violentada e de sua família

Em relação à vítima do ato de violência, não há como deixar de se comover. Trata-se de uma criança que teve arrancada de si, por um ato tão brutal, o direito sobre seu corpo, em relação à sexualidade. Como pai, acredito que consigo imaginar um pouco do que os pais dessa garota sentiram ao tomarem ciência de todo o ocorrido. Porém, o servo de Deus não deve discernir tais questões por meio da alma, onde estão inseridas as emoções humanas (Jr. 17:9), pois corre o risco de cometer males e injustiças terríveis; pelo contrário, o cristão nascido de novo deve discernir espiritualmente (1Co 2:14), à luz da Palavra de Deus, por mais que seja contra o seu intelecto almático(sic). Logo, no julgamento deste caso, é necessário que nos apartemos, até certo grau, do nosso intelecto, que dita regras éticas e morais deturpadas, e das nossas emoções que tornam turvas e embaçadas a nossa visão e nos vinculemos aos preceitos bíblicos. Devemos, contudo, orar para que esta família seja alcançada pela resplandecente graça e amor (Tt. 2:11) de Deus, a fim de ser consolada pelo Espírito Santo (At. 9:31) neste momento de dificuldade. Dito isso, prossigamos em uma breve análise ao ocorrido.

O ódio incitado contra o agressor

É evidente que o crime cometido pelo agressor foi muito grave. E, segundo a legislação penal vigente, deve, ele, ser punido. Entretanto, o caráter punitivo da sociedade ultrapassa o dever de cumprir a sanção penal, desencadeando uma “rotulação” ao criminoso, o qual passa a ser insuscetível de perdão. Isso mesmo! É o espírito de vingança que acompanha uma ênfase na emoção social em relação à ação ilícita do acusado de ter cometido o crime – o que se agrava pelos fatos que se extraem do caso posto a análise. E isso é justificável em face da incompreensão que a maioria das pessoas tem do aspecto espiritual e bíblico-normativo.

Conquanto haja entre a população brasileira um ímpeto vingativo, que requer a punição, como sendo a justa medida em relação à aplicação da justiça, o cristão verdadeiro deve seguir o exemplo do Mestre (Lc. 23:34; Mc 11:25,26). Não falo aqui de avalizar o pecado, mas sim de apresentar amor pelo pecador (Lc 5:32; 3:16). Alguns devem estar pensando: - É fácil pra você dizer isso, Jordanny, já que não foi a sua filha. Contudo, o direcionamento desta postagem não é àqueles que não experimentaram o novo nascimento, mas sim àqueles que se julgam servos do Deus altíssimo, nascidos de novo por meio da regeneração e da renovação do Espírito (Tt. 3:5). Também não afasto aqui o caráter punitivo a ser aplicado sobre esse infrator. Junto à lei humana aquele homem, uma vez julgado, poderá ter sua punição cumprida. Porém, junto a Deus, é necessário que este se arrependa para que tenha parte no Reino. E, esta, deve ser a nossa oração como servos de Deus (Lc. 15:7,10), por mais que se apresente contrária à nossa razão humana. E se, como homens e mulheres de Deus, não agirmos assim, somos, conjuntamente a este pecador, iníquos (Is. 59:2), estando, pois, separados do Senhor.

Indignação geral contra a igreja Católica

Não sou católico, pois são evidentes os absurdos doutrinários e o afastamento desta religião dos preceitos descritos na Palavra de Deus. Entretanto, em um país que se diz, majoritariamente, católico, fico abismado com o fato de haver tanta contestação em relação à decisão desta igreja, no tocante a excomungar os praticantes do ato abortivo. Ora, a igreja Católica, ao contrário de nós evangélicos, não se fundamenta na Bíblia como regra de fé, mas sim nos preceitos papais. Se, portanto, dentre os pecados capitais (aqueles que levam a pessoa diretamente ao inferno, sem que tenha a oportunidade de “purificar-se” no “purgatório”), está o homicídio; e a tal instituição concebe que a vida existe desde a sua conceição, a interrupção da vida pela ação humana, mesmo antes do nascimento, tem como conseqüência o excomungo. Esta regra administrativa se aplica à igreja Católica e, necessariamente, aos seus fiéis. Logo, uma pessoa que se diz católica e não aceita tais preceitos, deve rever seus conceitos e, ou aceitar os ditames institucionais, ou mudar de religião. Não leva a nada discutir os equívocos éticos e práticos da decisão episcopal católica. Aliás, se houvesse na liderança, dessa igreja, temor do Senhor, com certeza já teria retornado a prática e observânica da Bíblia.

A “heróica” atuação equipe médica apoiada pelo IMIP

Que decisão fantástica teve a equipe médica juntamente ao IMIP (Instituto Médico Infantil de Pernambuco) em interromper a gravidez! Congratulações! É tão mais fácil para a consciência fazer aquilo que o clamor público deseja, não? Ademais, nós temos aqui um fato extremamente relevante: a vida de uma menina contra a patética existência de dois embriões... Já imaginou! Uma vida em jogo por causa de duas coisinhas tão insignificantes! Não temos dúvidas que foi acertada tal decisão médica! Aliás, e repito, não passam de dois meros embriõezinhos!

Frisa-se também que, apesar de o aborto estar tipificado no Código Penal em seus artigos 124 a 127, comportando um espacinho entre os “crimes contra a vida”, nos casos previstos no artigo 128, é plenamente lícita a prática do aborto, desde que, ou haja risco de vida para a gestante, ou proveniente de estupro desde que tenha o consentimento dos pais. Nesse caso, novamente a equipe médica, com apoio do IMIP, agiu prontamente e legitimamente! Veja que, mesmo que não houvesse consentimento dos pais, já estava decidido que a gravidez gerava risco para a criança; ou seja, há atuação mais lídima? Também, não há dúvidas quanto a consentimento dos pais da garota, não é mesmo?

Já tá (sic) bom demais! Cansei de ironizar! Agora, falando sério...
Primeiramente devemos considerar qual vida é mais importante: da mãe; ou dos “embriões”? Observou que, para trazer uma conotação de inferioridade, é só trocar o termo “bebê em formação”, ou mesmo “vida em formação”, por “embriões”? Um nascituro não é entendido com um ser humano? Interessante é que o próprio Código Civil resguarda, quando relacionado a direitos patrimoniais, a criança desde a concepção (art. 2º); quer dizer, a proteção não está relacionada à vida, mas sim ao dinheiro. Para se ter uma idéia, o aborto é tratado, pela legislação, de forma diferente do homicídio, até quanto à penalidade.

Agora, vamos fazer uma mudança proposital para que você perceba que, as palavras utilizadas para se convalidar um aborto, são previamente escolhidas a fim de retirar o sentido real, arrancando o afeto e comoção que, naturalmente, existiria: “O que é mais importante, duas vidas inocentes, completamente indefesas, que estão sendo geradas e que não têm culpa alguma de todo o ocorrido; ou a vida de uma hospedeira?”

Notou que a simples substituição das expressões dá outro sentimento para o caso em discussão? Perceba que é dessa forma que o sistema maligno tem extraído de nós os afetos naturais (2Tm 3:2,3). Entendam que não há intenção aqui de se levantar contra a vida dessa criança que foi terrivelmente violentada, porém, a mídia, sabe publicar as palavras certas a fim de levar o clamor público a pensar da forma que ela quer.

Dessa forma, e retomando o assunto, não seria o aborto uma espécie de homicídio? Quer saber: responder isso sob a ótica humana gera mais e mais equívoco; logo, tentaremos analisar algumas questões a luz da Palavra de Deus, que é perfeita e infalível.

Biblicamente, a origem da vida se dá pela concepção, ainda que sejamos gerados em pecado (Sl 51:5). Deus dá tanta importância à vida que está sendo gerada, que chega a proteger-nos enquanto ainda estamos no ventre de nossa mãe (Sl 139:13). Os olhos de Deus estão atentos à vida humana desde o momento em que é gerada, ainda sem forma (Sl 139:16), dando-a sustento (Sl 71:6). Percebemos que Deus se importa com o homem de uma forma muito especial, desde o ventre materno (Is 49:1). O próprio Senhor Jesus, já era cheio do Espírito Santo ainda enquanto estava sendo gerado (Lc 1:15). Na verdade, para Deus não há distinção entre o pecado de homicídio e o aborto; ambos são homicídios. E a Bíblia é enfática ao combater o homicídio, apresentando uma dura pena aos praticantes desse pecado (Ap. 21:8; 22:15).

Não intento, por meio desta postagem, adentrar na questão ética, visto que, como homem que sou, poderia acabar decidindo de acordo com o “consenso manipulado”, passando a acreditar na “inerrante ciência” (1Tm 6:20), ou mesmo nas filosofias humanistas (1Co 2:4,5; Rm 12:2), passando a tolerar o pecado, que tem como conseqüência, a morte (Rm 6:23). Apenas tenho apresentado a questão de uma ótica bíblica. E, contra o que está Escrito, não há argumentos (1Co 4:6; 2Tm 3:16), mas, e tão somente, o dever de obediência. Assevero que o verdadeiro servo de Deus não deve se deixar levar por preceitos eticamente definidos pela humanidade corrompida; deve, sim, guiar-se pela Palavra (Sl 119:105), que é a verdade absoluta (Jo 17:17) em termos de fé e de prática, a fim de herdar a vida eterna (Jo 3:16; 11:21; 14:6).

Por fim, quer saber um pouco mais do que a mídia não publicou? Clique
AQUI!

A paz do Senhor a todos!

Jordanny Silva

12 comentários:

Debora Zibordi disse...

Irmão Jordanny, que comentário lindo!

Parabéns pela excelente forma com que abordou o caso tão polêmico! Parabéns por citar as Escrituras ao defender cada ponto e parabéns por esclarecer algumas mentes ainda confusas quanto ao ato do aborto!!!

Concordo plenamente com cada palavra aqui postada!!! Que o Senhor te use poderosamente para aconselhar os mais fracos e abrir nossos olhos espirituais usando o poder da Palavra de Deus!!!

Que Jesus te abençoe ricamente.

Geziel Silva Costa disse...

Jordanny!

Na realidade a mídia é manipuladora. Vemos nas ruas as mesmas conversas e conceitos, extraídos por esse formadores de opiniões erradas, sobre aborto, sexo drogas homossexualismo e etc.

As pessoas estão concordando com tudo que é despejado pela TV. Não é à toa, que o anticristo se utilizará da mídia.

Parabéns pela postagem.

JJunior disse...

Ótima postagem irmão... infelizmente a mídia é um recurso que os ímpios souberam utilizar primeiro que os evangélicos!

Essa é formadora de opiniões, com o irmão comentou, na época do anticristo então, que arma a mídia será! Ainda bem que não estaremos aqui pra ver.

Fique com Deus irmão

Luclécia Silva disse...

Graça e paz! Muito boa essa reflexão a respeito desse assunto. Confesso que qd vemos esse tipo de coisa a alma apela mesmo e não sabemos bem como reagir. Eu tinha uma opinião diferente a respeito desse assunto, mas eu estava olhando pelo lado da alma não discernindo espiritualmente. Suas considerações sobre esse assunto me trouxeram luz. Obrigada!

Fica na paz!

Heberson Borba disse...

Excelente postagem mano... ótimo texto e embasamento jurídico. Fundamentação bíblica maravilhosa com bastante Luz sobre as nossas mentes. Louvo a Deus pela sua vida e como Deus têm lhe dado sabedoria.

Realmente temos que interceder por essas pessoas envolvidas em toda essa triste história que se torna cada vez mais comum no nosso Brasil. Que o Senhor venha derramar mais do amor Dele sobre todos eles, desde as meninas vítimas de um fato tão cruel e desumano até o "mosntro" como diz a mídia manipuladora e implacável. Que o amor de Deus sêje derramado e que todos venham conhecer o Seu poder e Plenitude. Oremos ao Senhor para que haja perdão e consolo a essas pessoas.

A Paz do Senhor !

Blog do Jordanny Silva disse...

Irmã Débora,

Você é sempre muito bem vinda neste espaço. Agradeço pelas palavras de incentivo e também pelo esforço, que percebo em você, de levar a Palavra do Senhor genuinamente aos corações.

Deus te abençoe!

Jordanny Silva

Blog do Jordanny Silva disse...

Irmão Geziel,

Primeiramente, agradeço por estar somando conosco nessa luta por um evangelho verdadeiro. Devemos, como cristãos que buscam viver de acordo com a VERDADE ABSOLUTA consignada na Palavra, sempre trazer a tona questões que têm sido apresentadas de forma indevida a fim de manipular os incautos.

Agradeço pelo comentário e que Deus continue te usando em seu abençoado blog.

A paz do Senhor!

Jordanny Silva

Blog do Jordanny Silva disse...

Caro JJunior,

Fico sempre muito feliz quando percebo que Deus tem levantado jovens para defender o evangelho verdadeiro. O palco para a ascenção do anticristo já está montado e uma das ferramentas é, sem dúvida alguma, a mídia. Graças a Deus temos sido fortalecidos em "dias trabalhosos" como estes.

Grande abraço e obrigado por comentar!

Deus te abençoe!

Jordanny Silva

Blog do Jordanny Silva disse...

Amada Luclécia,

Agradeço pela visita e fico feliz por ter contribuído um pouco com algumas de suas dúvidas. Passei pelo seu blog e achei muito bom! Que Deus nos abençoe e nos fortaleça para que não sejamos enganados pelo que o mundo tem "pregado".

Deus te abençoe ricamente!

Jordanny Silva

Blog do Jordanny Silva disse...

Grande Hebão,

Meu amigo de luta e de estudo. É sempre bom ver sua opinião por aqui! Você sabe que ainda tá me devendo algumas postagens, né?

Abraços irmão!

Jordanny Silva

drika disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Blog do Jordanny Silva disse...

Prezada Drika,

Agradeço pelas considerações consignadas. Graças a Deus, ainda temos muitos cristãos atentos ao "andar da carruagem" do mundo atual.

Deus te abençoe!

Jordanny Silva