segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Evangélicos e católicos devem se unir?


Há exatos dois anos, o Vaticano divulgou um documento pelo qual afirmou que a Igreja Católica Romana é a única a reunir todos os requisitos da comunidade fundada originalmente por Jesus e seus apóstolos. O texto, que retoma um polêmico documento do ano 2000 — denominado Dominus Iesus, cujo autor é Joseph Ratzinger, atual papa —, é obra da Congregação para a Doutrina da Fé, a antiga casa de Ratzinger, no Vaticano. Trata-se do órgão responsável pela pureza teológica do catolicismo.


Bento XVI sempre se posicionou contra o relativismo. Mas a divulgação desse documento revelou uma estratégia para transformar o romanismo num referencial religioso e moral único, além de guardião da herança cristã. O papa defende a ideia de que não se pode igualar todas as religiões cristãs, colocando-as num mesmo “saco”. Além disso, reafirma, modéstia à parte, que o catolicismo é o único meio pelo qual se pode alcançar a salvação espiritual com a ajuda da fé em Jesus Cristo!


Segundo o padre Augustine di Noia, subsecretário da Congregação para a Doutrina da Fé, o tal documento não visa a alterar o compromisso com o diálogo ecumênico, mas a afirmar a identidade católica.


Mas pergunto: É mesmo o romanismo o único a reunir todos os requisitos da comunidade fundada por Cristo e seus apóstolos? Ora, quem conhece um pouquinho da História sabe que o cristianismo não teve início com a igreja católica romana. Antes, um pseudocristianismo surgiu em 312, quando o imperador Constantino, após derrotar Magêncio, fez uma aliança entre Estado e Igreja. Desde então, começou a emergir essa igreja cheia de desvios em relação à Palavra de Deus. Haja vista a mariolatria, a “infalibilidade” papal, a veneração de “santos”, etc.


O papa pretende manter a pureza teológica do catolicismo, que se arvora como o guardião da herança cristã... Meu Deus! Que pureza teológica é essa? Ah, sim, a “pureza” da teologia romanista, pois, como se sabe, a igreja da maioria vem, através dos séculos, “dando de ombros” para a teologia biblicocêntrica, não preservando a verdadeiramente pura e sã doutrina (cf. Tt 2.1; 2 Tm 3.16,17; Is 8.20; 1 Co 4.6).


Sabemos que o catolicismo romano não é o único meio pelo qual se pode alcançar a salvação (com a ajuda da fé em Jesus Cristo). Segundo o tal documento, Jesus seria um mero coadjuvante na obra salvífica, haja vista a mediação ser realizada de fato pelo romanismo! Isso é o que podemos chamar de “santa” prepotência! Por que o papa e seus cardeais não se curvam ante a verdade irrefutável de 1 Timóteo 2.5? Jesus é o único Mediador entre Deus e os homens! Não é necessária a comediação do romanismo, que na verdade é uma “comédia em ação”, com todo o respeito...


Apesar do “coerente” e “imparcial” documento em apreço, a igreja da maioria pretende manter inalterado o seu ideal ecumênico... Ora, é óbvio que o romanismo continuará se aproximando das outras religiões, principalmente das consideradas “seitas evangélicas”, a fim de conquistar pela “simpatia” o maior número de fiéis. Aliás, certos cantores evangélicos têm cedido canções para padres pop star e dito que há católicos mais convertidos do que os evangélicos... Eu até concordo que haja evangélicos desviados, nominais, não-salvos ou que perderam a salvação por serem profanos... Mas, biblicamente, é impossível que um seguidor do romanismo (adorador de Maria) seja mais convertido que um verdadeiro cristão, salvo e compromissado com a Palavra de Deus!


Sinceramente, a julgar pela situação de muitas igrejas ditas evangélicas, me pergunto: O que seria pior, pertencer à igreja da maioria e adorar Maria, ou pertencer a certas igrejas “evangélicas” que estimulam os crentes a se autovalorizarem ao extremo, seguindo a um evangelho antropocêntrico, triunfalista, experiencialista ou predestinalista, que crê cegamente no bordão “Uma vez salvo, salvo para sempre”?


Sei que “duro é esse discurso”, mas não podemos chegar a outra conclusão à luz do que diz a Palavra de Deus em 1 Coríntios 15.1,2: “Também vos notifico, irmãos, o evangelho que já vos tenho anunciado, o qual também recebestes e no qual também permaneceis; pelo qual também sois salvos, se o retiverdes tal como vo-lo tenho anunciado, se não é que crestes em vão”.


Glória seja dada a Jesus Cristo, o único Mediador entre Deus e os homens!


Ciro Sanches Zibordi


Fonte: Blog do Ciro

7 comentários:

angela disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
angela disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Newton Carpintero, pr. disse...

Prezamado Jordanny,

A Paz do Senhor!

Não! Claro que é impossível esta união, que somente passa pela cabeça dos "religiosos".

A igreja católica matou e mata mais que Adolph Hitler.

A IGREJA CATÓLICA NÃO É UMA IGREJA CRISTÃ!

O Crente em JESUS CRISTO, precisa deixar de afirmar que: A religião católica é cristã!

ELA NÃO É! Precisamos dar um basta a este engano!

COM CERTEZA ABSOLUTA! ELES NÃO SÃO NOSSOS IRMÃOS EM CRISTO!

Eles precisam se converter e esquecer a idolatria, bem como, a adoração a Maria.

O Senhor seja contigo!

pr. Newton Carpintero
www.pastornewton.com

Ricardo Cantini
São Paulo - Brasil
disse...

Faço minhas as palavras do Pastor Newton Carpintero. Tenho dito há um bom tempo que o Catolicismo é uma religião por si só e NADA TEM A VER com o Cristianismo.

Irmão Jordanny, eu o parabenizo pelo texto, pois não há como, a luz da palavra de Deus, praticarmos o ecumenismo.

A Bíblia é clara quando diz que não se pode servir a dois deuses...ou há de se odiar um e amar o outro ou vice-versa.....(desculpe-me apenas não fazer uma transcrição literal nem referências ao texto orignal aqui!).

Que Deus nos abençoe e ajude a nos mantermos fiéis à Sua palavra!

Abraços!

www.cantini.com.br/blog

Fábio Menen disse...

Graça e paz Jordanny!

Pois é, estou terminando de ler o livro O Futuro da Humanidade e amei o livro. Me parece que o Augusto Cury está mudando de editora, já que a editora Sextante publica livros de alcunho místico e esotérico. Bem, melhor pro Cury e pra nós também rs. Valeu mano, um abraço.

Anônimo disse...

Olá pessoal! Meu nome é Andréia, e eu trago uma filosofia que acredita que católicos e evangélicos realmente realizam cultos distintos mas estão sustentados pelo mesmo pilar, que é Deus,fundamentados no amor de Cristo. Todos somos iguais e Cristo ama a todos da mesma forma. Não há motivo para conflitos. Na verdade, quando se trata de determinadas autoridades religiosas, sejam elas católicas ou evangélicas (lembrando, são algumas, não há generalização)há uma concorrencia futil, frívola e inútil para o alcance do maior numero de fiéis, utitilizando-se disto para conseguirem aproveitarem-se financeiramente e colocando os cristãos uns contra os outros. Isso quer dizer, que deve haver, por parte de todos, um espírito crítico, para que não sejamos manipulados, pois há pessoas que se utilizam do sofrimento alheio e da fé de um povo para satisfazerem seus interesses. Diante disso vale ressaltar que ninguém é melhor que ninguem, não há superioridade religiosa e o melhor que se deve fazer é o que próprio Cristo pregou: sermos unidos em Deus. As pessoas não percebem que ao realizar intrigas para provar qual religião é a melhor, qual é a mais correta, estão deixando o objetivo maior de toda religião que é a busca por viver bem e no amor de Deus, em verdade e em paz com todos, havendo o respeito e a ajuda mútua. Respeito este que deve ocorrer inclusive entre pessoas de religiões distintas, pois o mundo hoje encontra-se neste abismo de ódio principalmente por causa da intolerância que aflige as pessos no decorrer de toda a história da humanidade. Vale ressaltar, que independentemente de ser cristão ou não, deve haver o respeito ao outro, porque todos somos livres para escolhermos o que queremos, e o que acreditamos. Fico muito feliz, quando vejo padres e pastores unidos para alcançar um objetivo. E não é necessario brigas, há apenas uma admiração pelo trabalho de evangelização realizado. E já tive oportunidade de ver, estas pessoas, de religiões distintas, aprendendo entre si, valorizando as pregações. Pastores prestigiando o trabalho de padres, e padres admirando pregações de pastores. Tudo é uma questão de conhecer: antes da crítica, é necessário saber o que se está criticando. Esta é chave de tudo, porque o preconceito é justamente isto: o conceito formado antecipadamente. A briga entre evangélicos e católicos, tem marco histórico, e é caracterizada pelo interesse também notável atualmente: a Igreja lutando pela continuidade de sua hegemonia, e o calvinismo e outros grupos surgidos na época pelo interesse do lucro bugues e pela posse das terras católicas. Logo, devemos estar unidos todos, catolicos, evangélicos, e outras religiãos para que não sejamos vítimas deste interesse e procuremos realmente o viver bem e com todos, na paz, na luta contra o sentimento de superioridade e a ignorancia que afige, realizando o amor entre todos que o próprio Cristo pregou. O ecumenismo vem pregar a beleza de sermos unidos: não de converter para a religião do outro, mas para conhecê-la, buscando forças também em outras filosofias de vida. Os contrários ao ecumenismo, não precisam se aderirem a ele, mas é necessário adiquirem o respeito pela fé dos outros, para que assim também possa ser respeitado. Obrigada.

Anônimo disse...

Olá, A Paz de Cristo!

Acredito que esse texto, mesmo pelo seu tom "ácido", é uma resposta a altura do documento nada ecumêmico elaborado pelo Papa Bento XVI. Bom, acredito no diálogo e na comunhão entre as religiões cristãs. O errado é ficar sustentando teses de heresias por um e de idolatria pelo outro. Impressionante porque essa briga ainda perdure mais tempo ainda e tenha gente inteligente que ainda fica agindo contra a paz na Casa de Deus (todos somos essa casa-igreja, ou acham que são os muros de pedra sabão?). Eu li um argumento que me parece mais satânico que qualquer outro: "A igreja católica matou e mata mais que Adolph Hitler". Que horrível comentário a quem se propõe defender O REI DA PAZ, JESUS CRISTO, NOSSA RAZÃO DE VIVER! Os crimes que a Igreja cometeu, na Santa Inquisição, são conhecidos dos estudantes de Ensino Médio, mas e os cometidos por Lutero quando entregou os Anabatistas? Milhares de mortos! E a "Santa Inquisição" dos Protestantes??? Ah, não sabias né... entendo. Não existem filmes sobre isso. Bom, impressionante é que dizem que os Católicos são Idólatras! Quem é inteligente sabe (servem para os "católicos" também): se o Cristianismo está assentado no JUDAÍSMO QUE É MONOTEÍSTA, logo o Catolicismo é também MONOTEÍSTA. Então, se idolatria é cultuar OUTROS DEUSES, qual é o outro deus cristão? Generalizam o que enxergam por aí, se fosse por isso, argumentaria que a idolatria está presente no dinheiro que muitos pastores AMAM e se dedicam a captar de seus fiéis, em cultos nas esquinas e assembléias em quarteirões escuros ... MAS, por respeito a maioria (como diferente somos, pois há quem demonstre respeito, né) acredito que seja equívoco frisar que são todos idólatras, é claro, usando o termo da mesma forma que foi utilizado.
Bem, acredito que por estar existindo pessoas que só olham para seu umbigo e defendem não DEUS mas seu quinhão, seu pão (como se o homem só vivesse disso) é que esse sisma continuará. Não enxergam que o ANTICRISTO é a intolerância religiosa! Então, nos poupe de seu orgulho, "arrotando um camelo"!

Vergoonha de você, Pr Newton, pregas o evangelho com a mente igual a de um terrorista muçulmano.

Sinceramente

A Paz de Cristo!